23 de dezembro de 2003



Feliz ano-novo...

Não é isso que dizem?
FRESTA

Em meus momentos escuros
Em que em mim não há ninguém,
E tudo é névoas e muros
Quanto a vida dá ou tem,

Se, um instante, erguendo a fronte
De onde em mim sou aterrado,
Vejo o longínquo horizonte
Cheio de sol posto ou nado

Revivo, existo, conheço,
E, ainda que seja ilusão
O exterior em que me esqueço,
Nada mais quero nem peço.
Entrego-lhe o coração.

Fernando Pessoa

um bom poeta, ele é um cara legal

Onde estarei na semana da virada


A Praia do Moçambique integra o Parque Florestal do Rio Vermelho e por possuir um ecossistema arenoso e plano foi utilizado pelo Doutor Henrique Berenhausen, como experimento do cultivo do Pinus Elliot, transformando a sua área, com dunas, em uma reserva florestal densa, com essa espécie vegetal.

Hoje, por leis, Federal, Estadual e Municipal, integrante do Parque Florestal do Rio Vermelho, e, fazendo parte do Distrito de Rio Vermelho. Por ser uma reserva que está resistindo à ocupação humana, e por isso torna-se uma praia muito pouco procurada por turistas e veranistas.

É uma praia oceânica, de ondas fortes e largas, areia alva e águas com forte salinidade muito límpidas. Além do molusco moçambique, oferece um siri pintadinho, peixes diversos, e ótimas condições para a rede de tainha ou de cerco.

A Praia do Moçambique, tem por limites extremos, ao norte a Ponta das Aranhas e, ao sul a linha divisória dos Distrito da Lagoa da Conceição como o de São João Batista do Rio Vermelho.

Praia muito isolada e muito pouco freqüentada e por isso, tem escassa ou rara utilização, tanto para veraneio, esporte, lazer ou pesca, essa um pouco mais, porém na maioria como pesca esportiva e amadorística.

Dentro do Parque Florestal do Rio Vermelho encontram-se os seguintes serviços: Três "Campings" e a Administração do Parque, com um moderno setor de pesquisas, com destaque para a maricultura - ostras, mariscos e camarão. Todos esses serviços estão abertos ao público para uso e à visitação.

Dimensões: Extensão - 7.500 metros e Largura - 8 a 50 metros
Fonte: http://www.portaldailha.com.br/praias/praias-mocambique.php

"Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,a que se deu o nome de
ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar
no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar
e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra
vez, com outro número, outra vontade de acreditar, que daqui para adiante
vai ser diferente."

(Carlos Drummond de Andrade)

19 de dezembro de 2003



Confira a arte muito bacana de Marco Almera, clicando aqui.
O artista é versátil ao extremo e seu trabalho é inundado em referências a pop art, mexicanismos em geral e alguns até com um toque de religiosidade. Marco Almera já produziu posters para bandas conhecidas, como Turbonegro, Voodoo Glow Skulls, Supersuckers, Gwar e Misfits. Classe A.

18 de dezembro de 2003

Medo do Começo

Parece o começo de tudo
Fim que não parece fim
Que não padece enfim
Que parece que não é o começo

Começo da vida
De uma outra história
Esta, que ninguém sabe o final
Que está por vir
Que pode nunca chegar...

Começo, fim, e o medo
Medo de nunca chegar
De não saber onde ir
Que caminhos tomar
E se eles levam a algum lugar no fim

Medo de não poder voltar
Errar, e não saber como seguir
Não sentir o apoio de ninguém
Agora, é cada um por si
Em algum lugar completamente diferente

Medo de voltar, de pedir ajuda
Medo de começar de novo
Medo do começo
Que sabemos o fim
Medo de terminar, o que não sabemos o começo...

Carolina Kujawsky

Uma pessoa muito estimada me deu isso, quando eu precisava.
Bons comentários sobre música de qualidade. Vintage World.
-Estava amarrando o sapatos.

Foi essa desculpa, quando minha vizinha entrou no elevador e eu estava desmaiado.

-Fui amarrar o sapatos, acho que peguei no sono.
"Desde que comprei a loja que tentamos vender um disco de um grupo chamado Sid James Experience. Geralmente nos livramos dos troços que não conseguimos passar adiante - ou reduzimos o preço ao mínimo, ou jogamos fora - mas Barry ama esse álbum (ele tem duas cópias próprias para o caso de alguém pedir uma emprestada e não devolvê-la), e diz que é um disco raro e que algum dia iremos fazer alguém muito feliz. Na verdade o disco tornou-se um espécie de piada. Os fregueses habituais perguntam pela sua saúde, dão-lhe um tapinha amigável quando se deparam com ele na prateleira, e às vezes trazem a capa até o balcão como se fossem comprá-lo, e aí dizem "Brincadeirinha", e colocam-no de volta onde estava.

De qualquer forma, numa manhã de sexta-feira este sujeito que nunca vi antes começa a examinar o "Pop Inglês, seção S-Z", quando solta um arquejo de supresa e corre até o balcão, apertando a capa junto ao peito como se tivesse medo de alguém fosse tirá-lo dele. Depois pega a carteira e paga pelo disco, sete paus, sem mais nem menos, em tentar pechinchar, sem parecer reconher a importância do que está fazendo. Deixo que Barry o atenda - é o seu grande momento - e Dick e eu observamos cada movimento com a respiração presa: é como se alguém tivesse entrado, derramdo gasolina em si mesmo e tirado do bolso uma caixa de fósforos. Não respiramos até que ele tenha acendido o fósforo e posto fogo em si mesmo, e quando ele se vai nós rimos e rimos e rimos. Aquilo dá forças a todos nós: se é possível alguém entrar e comprar o álbum do Sid James Experience, então certamente é possível acontecer algo de bom a qualquer momento. "
(Trecho de Alta Fidelidade - Nick Hornby)

Um bom livro, amantes de música e saudosos colecionadores de vinis vão gostar dele. Rob Fleming, dono de uma loja semifalida de discos de vinil, faz um balanço das cinco piores separações da sua vida. Fanático por listas ele e seus dois 'amigos' Dick e Barry fazem uma verdadeira viagem musical.

Não é nenhum best-seller mas pode ser uma boa leitura para o verão.
Leitura-leve literalmente!

Ahh existe um filme com o mesmo nome, que foi inspirado no livro, o filme é bem bacana também, mas não deixe de ler o livro, ele é muito melhor .

Só mais uma coisa, trilha sonora do filme:

You´re Gonna Miss Me - 13 Floor Elevators
Everybody´s Gonna Be Happy - The Kinks
I´m Wrong About Everything - John Wesley Harding
Oh! Sweet Nuthin - The Velvet Underground
Always See Yor Face - Love
Most Of The Time - Bob Dylan
Fallen For You - Sheila Nicholls
Dry The Rain - The Beta Band
Shipbuilding - Elvis C. & The Attractions
Cold Blooded Old Times - Smog
Let´s Get It On - Jack Black
Lo Boob Oscillator - Stereolab
Inside Game - Royal Trux
Who Loves The Sun - The Velvet Underground
I Believe (When I Fall In Love It Will Be Forever)

17 de dezembro de 2003

Um e-mail que eu mandei ha tempos atras e resolvi guardar pra ler quando tivesse mais calmo.

Chega a ser ironico, mas eu realmente tava indignado:

Uma das coisas que mais irritam uma pessoa chama-se ansiedade, pior ainda quando tu sente ansiedade e o motivo parece nao existir, e horrivel sentir-se sempre insatisfeito, cansado, desanimado e inutil, parte de uma coisa muito grande que tu nao passa so de um numero para servir de estatistica. E que, querendo ou nao,quem tem que se adaptar a isso tem q ser vc, porque o mundo nao vai mudar por sua causa, e nem deve porque a maioria sempre vence. Mas e se eu nao for a maioria?Tratar todo mundo do mesmo jeito quando ninguem é igual chama-se comunismo e eu nao sou comunista eos comunistas nao sao a maioria, entao porque tratar todo mundo da mesma forma mecanica e estupida como se as maquinas ja tivessem substituido por completo tudo aquilo que tu é capaz de fazer. Tudo isso junto me deixa ansioso, esperando que mude,que as pessoas acordem e percebam que na pratica tudo fica diferente e aquilo que te ensinaram talvez ja nao sirva mais, as pessoas que tu tinha de modelo hoje tu ve que sao uns bosta igual a tu, aqueles que tu sempre confia as vezes parece que joga escondido pro outro time e depois vem apertar tua mao se tu ganha ou se esconde quando tu ta perdendo. Pode ser que a culpa seja minha, que eu sou o chato, o estressado, que acordou com o ovo virado de manhã-cedo, mas se eu quero ser normal igual aos outros preciso me incomodar tambem, estressar tambem e depois descontar isso em alguem e assim formar uma cadeia alimentar onde o mais rapido, forte e desonesto e falso vai ganhar e o outro... bem o outro vai esperar por um tropeço dele para aniquila-lo sem perdao na primeira oportunidade, entao se vc sobe, te derrubam, se nao sobe te pisam, e se cai te empurram mais pra baixo. Nao ha escolha, se tu anda pelo caminho certo demora mais e os outros te passam, mas para entrar no caminho errado vc precisa ser forte, senao nao dura muito. Pior ainda aquele que assiste tudo do lado de fora e percebe o que acontece e prefere nao falar nada para nao parecer rude ou estupido, assiste de camarote toda a falcatrua que as vezes sobra ate pra ti e acha melhor relevar em favor da amizade ou da familia. Mas tem horas que tu percebe que talves eles nao fizessem o mesmo por ti e fazer o bem sem olhar aquem pode ser perda de tempo e chegou a hora de ser um pouco mais incomodo e rude. Se eu mudar um pouco nao se assustem, existiram muitos Diegos e outros muitos mais vao existir. Talvez eu seja um pouco falso tambem, para me confundir com os outros normais.Nao sejam normais. Amo todos vcs.

É, esse tempo passou. Isso tava guardado nuns arquivos que eu resolvi limpar hj. Tem mais dois do msmo porte, mas havera momento mais oportuno pra eles. Aquele "amo todos vcs" do final fez pessoas pensarem que se tratava de uma carta de suicidio e me rendeu alguns telefonemas me perguntando o que eu tinha ingerido ou se tinha ficado louco. Parece que nao me conhecem. hehe.
(11:35:44) Cabelo`s: Parapsicologo cego e especialista em leitura das nadegas

(11:36:07) Veruskha: o q é isso?

(11:36:37) Cabelo`s: um carinha le nadegas....mas ele eh cego viu

(11:36:58) Veruskha: apesar de q não é preciso ver para ler nádegas....
(11:37:22) Veruskha: mas deve ser uma profissão bastante estranha..

(11:38:23) Cabelo`s: a questao nao eh o se ele enserga ou nao mas vc vira a buzanfa e ele ficar ali "olhando" e apalpando

(11:39:08) Veruskha: sem dúvida deve ser uma cena engraçada

(11:39:32) Cabelo`s: aram

(11:39:39) Veruskha: até pq provavelmente vc fica de pé, com as mãos no joelho e ele sentado numa cadeira

(11:40:11) Cabelo`s: naun vc de pe ele de joelhos

(11:40:42) Veruskha: de joelhos?
(11:40:48) Veruskha: mas ele é novo então

(11:41:08) Cabelo`s: o pq deduziu isso

(11:41:52) Veruskha: pq ficar muito tempo de joelhos cansa e além do mais pessoas mais velhas tem difilcudade em ficar assim, por causa das costas e tal...

(11:42:50) Cabelo`s: mas para vc "ver" o poder de uma bunda pois ele jah tem uma certa idade

(11:43:43) Veruskha: eu imaginei, tem certeza que ele fica de joelhos?

(11:45:46) Cabelo`s: olha...na foto q ele aparece naun da para ter certeza...mas vc disse q ele senta eu digo q ele se ajoelha...mas oq interessa eh a criatividade do veio

(11:48:35) Veruskha: certo, mas eu ainda acho que ele fica de joelhos... li um livro uma vez em que o cara lia seu cocô

(11:50:45) Cabelo`s: assim e esse lia d joelhos?

(11:51:29) Veruskha: não, lia de pé

Emulador de sintetizador Roland volta à Internet



Após dois meses de negociações, a Roland falha em provar que o software infringe seu copyright, e libera a distribuição de um programa que visa recriar em software um de seus sintetizadores, o MT-32. Em outubro deste ano, a Roland entrou com ação contra o autor do emulador, exigindo que sua distribuição fosse interrompida. Segundo a empresa, o programa infringe seu copyright sobre a ROM do sintetizador, usada para a obtenção dos samples dos instrumentos.

A Roland não conseguiu provar que seu copyright sobre a ROM ainda é válido. A empresa nunca se preocupou em registrá-la como sua propriedade, e isso era requerido em 1987, quanto o sintetizador foi lançado no mercado. A empresa também falhou em provar que se qualifica para uma extensão de copyright garantida pela organização mundial do comércio em 1994. Com isso, a distribuição do emulador foi novamente autorizada, desde que a ROM original do sintetizador não seja distribuída em conjunto com o software.

O emulador roda em sistemas Windows XP/2000, e seu código fonte é aberto, o que torna possível a criação de versões para outros sistemas operacionais. Para os curiosos, a página oficial contém amostras em MP3 comparando a mesma música reproduzida em um MT-32 real e no emulador.

Fonte: Terra

16 de dezembro de 2003

Gosto do estilo do cara, Guitarradas. Ele posta umas 2 vezes por semana, mas é bom.

To com uma coceira no nariz. Que merda.
cassianoVocê já foi a um ginecologista?
Bom, para começar o medo é algo presente antes, durante e depois da consulta.
Você chega, a secretária pergunta o nome, e manda aguardar. Na mesa central, na frente das poltronas da sala de espera, somente livros sobre as "questões femininas". 'O guia da menstruação', 'Meu primeiro bebê', 'A menina está crescendo', estão entre os best-sellers da mesa.

_Pode passar - diz a voz por trás da janelinha.

A sala, a sala não, o consultório, é com-ple-ta-men-te cor-de-rosa. Cortinas, carpetes, paredes, móveis, tudo tudo tudo, absolutamente tudo rosa. Um espanto. A doutora muito simpática, faz algumas perguntas (aquelas mesmo, 'Você é virgem?, Transa a quanto tempo?, Usa camisinha?, Sentiu dor?, Corrimento?'). É uma situação completamente estranha. Você pensa em mentir, daí lembra que ela faz essas mesmas perguntas para todas as meninas que chegam no seu consultório, e além do mais, o que ele tem a ver com a sua vida. Então você resolve falar a verdade. Nesse momento ela pede que você passe para a salinha ao lado. Já sabemos o que vai acontecer, meu corpo já se prepara, a passos lentos (tento prorrogar o possível a situação que se seguirá) entro na tal da "salinha". Ela me mostra um avental e um par de chinelos cor-de-rosa e pede que eu os vista (sem a o resto da roupa, é claro).

Momento Espanto 1

Olho para a maca. Sim a maca, que se parece muito mais com uma mesa de torturas. Aspecto horrendo, é como se ela tivesse dois braços de ferro, eles servem agradavelmente para manter suas pernas abertas. Manter as pernas abertas, isso não só soa engraçado, é pura comédia.
Contra tudo o que mamãe ensinou (Querida, feche as pernas. Isso não são modos de menina). E agora tenho até um suporte para mantê-las abertas. Nem preciso falar que o terror começa aí. A isso seguem-se uma seção de instrumentos bizarros, coisas que parecem feitas para culinária, outras para animais, algumas para ferreiros, mas nada de fato para meninas.

A doutora um anjo, sim um anjo de garras empunhando coisas assustadoras contra mim. Fazendo perguntas sobre como está a escola, como estão meus pais, como anda frio ultimamente, enquanto, bom prefiro não entrar em detalhes.

Aqui está o relato de umas das experiências mais poéticas(?) de minha vida. Façam proveito dele.
" ...Este é nosso mundo agora. O Mundo do wirelles e do cable, a beleza da transmissao, a lógica do zero e um, positivo e negativo. Nós nos utilizamos de um serviço já existente recusando-nos a pagar pelo que deveria ser barato se não fosse comandado por glutões corporativistas ambiciosos. E vocês nos chamam de criminosos. Nós exploramos e vocês nos chamam de criminosos. Nós buscamos conhecimento e vocês nos chamam de criminosos. Nós existimos e sobrevivemos independente de raça, nacionalidade ou orientação religiosa e vocês nos chamam de criminosos... Vocês iludem, vendem, roubam, trapaceiam e mentem tentando convencer-nos de que é para nosso próprio bem e mesmo assim tem a maldita cara de pau de nos chamar de criminosos. Sim! Eu sou uma criminosa! E meu crime é o de curiosidade! Meu crime é o de julgar os admins pelo que elas falam e pensam e não pela sua aparência. Meu crime é o de ser mais esperta do que vocês, algo pelo que vocês nunca vão me perdoar... Eu sou uma hacker, e este é meu manifesto. Vocês podem até barrar esta pessoa. Mas você NUNCA vai conseguir acabar com todos nós. Afinal de contas... Somos todos iguais... " Escrito originalmente em 8 de Janeiro de 1986 por The Mentor.

Ahhh! como sinto falta dakeles tempos!
BBS, ircs, conhecimentos, etica!
Hj naum existe mais a verdadeira uniao, a troca da informacao, a busca propria por ferramentas e saidas, o saber similar e aprender, a tecnica, fico triste por tudo, existem tantas mentes boas que se apodrecem pela facilidade de um script.
A rotina o simples compilar e executar, o clickar, afinal? estamos criando uma nova geracao de robos? Quem ira pensar por nos? As maquinas?
Vejo o mercado de seguranca e redes como um mercado de charlatoes, magicos e ilusionistas, o falso conhecimento sustentado pela ignorancia.
Meu nome eh melpôneme ( melzinha ), mas isso naum faz diferenca, pois, eu naum sou ninguem, minhas tecnicas saum minhas meu pensar e fazer saum mesmos, nao foram copiados de lugar algum, talvez tenham sidos adaptados, meu manifesto e pedido a Revista H4ck3r eh que pare de publicar exploits, ensinem a verdadeira tecnica do pensar.
Este atake a Editora digerati foi feito totalmente em cima de engenharia social e inteligencia, em nenhum momento foi usado algum exploit ou foi preciso apertar algum botao, para que isto acontecesse.
Para saber mais sobre minha pessoa, minha conscientizacao e atakes acesse meu blog (site) http://mel.blog-city.com


Beiijuuuusssss!
Melpôneme

Fonte: http://sweb.cz/melzinha/digerati110303/

15 de dezembro de 2003



"A gravidade ... não é apenas uma boa idéia. É a Lei", diz um popular adesivo de pára-choque.


A gravidade é nosso mais antigo e conhecido inimigo, a força que sentimos em nossos ossos, a força que um dia vai nos enterrar, amolecendo nossos órgãos e nos puxando para baixo, mas apesar de tanta intimidade ainda é um mistério. Qual é a lei, na verdade?

Para a maioria das pessoas é aquela que Isaac Newton proclamou em 1687 como a regra do cosmo, descrevendo como (mas não por que) dois objetos se atraem com uma força proporcional a suas massas e inversamente proporcional à distância entre eles. Mas ela já foi reescrita, e os físicos esperam que o seja novamente.

A gravidade de Newton foi substituída pela teoria geral da relatividade de Einstein no início do século 20. Einstein sugeriu que a matéria e a energia envolvem o espaço-tempo assim como uma pessoa que dorme muito cria uma depressão no colchão, fazendo os planetas, bolas de basquete e feixes de luz mover-se em trajetórias curvas, e não em linhas retas.

A relatividade geral previu a curvatura da luz, a expansão do Universo e os buracos-negros, e serviu de base para a cosmologia moderna, mas os teóricos nunca admitiram que fosse a última palavra sobre a gravidade.



"Gravidade não é apenas uma boa idéia, é a Lei"


Para começar, ela é matematicamente incompatível com as leis quânticas que governam as partículas subatômicas. Para descrever o que acontece em distâncias muito pequenas ou energias muito altas, correspondentes aos primeiros momentos depois do Big Bang, onde o espaço e o tempo se tornam descontínuos, a relatividade geral deve ser fundida com a teoria quântica, um projeto que envolveu a atual geração de físicos.

Mas recentemente alguns especialistas têm-se perguntado se está na hora de reescrever a versão de Einstein da lei, quando ela se aplica à outra extremidade da escala de comprimentos, as distâncias muito longas. A motivação vem da predominância do que às vezes é chamado de "setor escuro" do Universo.

De acordo com o que se tornou recentemente o célebre "modelo padrão", os átomos comuns formam apenas 5% do "recheio" do Cosmos. Algum tipo de matéria escura misteriosa, talvez consistindo em partículas elementares que restaram do Big Bang, formam 25%, enquanto o resto - 70% - consiste em algo ainda mais misterioso, conhecido como "energia escura".


Evidentemente, uma teoria que deixa 95% do Universo sem explicação é menos que um sucesso.

Nem a energia escura nem a matéria escura foram observadas ou detectadas diretamente. Cada uma delas foi inferida de seus efeitos gravitacionais sobre a pequena fração de "recheio" que podemos ver. Em conseqüência disso, alguns cientistas sugeriram que o que os astrônomos descobriram nos últimos 20 anos é sua própria ignorância da gravidade.

Em particular, a descoberta cinco anos atrás de que a expansão do Universo aparentemente está se acelerando, sob a influência de uma energia escura, provocou uma reavaliação das antigas certezas.

A explicação mais simples para a energia escura é algo chamado constante cosmológica, inventada primeiramente por Einstein - uma repulsa cósmica causada pela energia que reside no espaço vazio. As tentativas de se calcular essa energia resultaram em números 10 à 60ª potência maiores do que os astrônomos mediram - tão grandes que o Universo teria se desintegrado antes que os átomos ou galáxias pudessem se formar -, deixando os teóricos desanimados.

"Acho que estamos tão confusos que devemos manter a mente aberta para lidar com a gravidade", disse . Michael Turner, cosmólogo da Universidade de Chicago.

Em conseqüência disso tudo, a literatura física ficou pontilhada de sugestões de maneiras para se modificar a gravidade. Neste outono, diante de uma série de explicações para a energia escura durante oficinas de cosmologia no Instituto Kavli de Física Teórica, em Santa Barbara, Califórnia, 20 dos 44 participantes votaram em alguma variante de "Einstein estava errado".

Algumas dessas propostas se inspiram na teoria das cordas, a suposta teoria do tudo, que apresenta a possibilidade de que nosso Universo seja uma membrana (apelidada de "brane" em inglês) tridimensional em um espaço de 11 dimensões.

A maioria das cordas vibrantes que formam as partículas e forças da natureza na teoria das cordas ficariam presas à membrana, como os pêlos de um tapete. Mas as cordas responsáveis por transmitir a gravidade teriam a capacidade de se afastar, ou "vazar", no metaespaço que rodeia a membrana conforme transitam por ele, vindas de objetos distantes, segundo uma teoria apresentada em 2000 pelos doutores Gia Dvali, Gregory Gabadadze e Massimo Porrati, da Universidade de Nova York. O efeito, segundo eles, seria dar a impressão de que as galáxias distantes estariam se acelerando conforme se distanciam de nós.

Também nessa veia está a expansão cardassiana, cujo nome vem da corrida de "Perdidos no Espaço" e sonhada pelos doutores Katherine Freese e Matthew Lewis, da Universidade de Michigan. Segundo sua teoria, o Universo se acelera em conseqüência de as outras membranas tocarem a nossa. "Podemos ter um Universo em aceleração sem ter qualquer energia escura", disse Freese.

Outros teóricos estão recuando e modificando diretamente a relatividade geral, notando que quando Einstein a escreveu escolheu as equações mais simples possíveis para transmitir suas idéias. Mas talvez sejam necessárias equações mais complexas. Essa foi a abordagem adotada por Turner e seus colegas, os doutores Sean Carroll e Vikram Duvvuri, de Chicago, e Mark Trodden de Syracuse. O resultado é um Universo que se aceleraria conforme se torna maior e mais vazio.

Isso pode parecer loucura, disse Turner, mas não é mais que a idéia de 80 anos atrás, de que o Universo estaria se expandindo.

O modelo levanta tantas perguntas quantas responde, mas ele e outros semelhantes ainda valem a pena ser examinados, disse Carroll. E acrescentou: "Algo estranho está acontecendo, se o Universo chega a 10 bilhões de anos e nenhuma de nossas idéias atuais se destaca como a resposta certa, por isso precisamos ser ousados."



Antes de mais nada, um alerta: quem não conhece Johnny Cash (1932-2003) precisa preencher o quanto antes essa lacuna.

Pois bem: o singelo anúncio acima foi publicado na revista Billboard em 1998, em comemoração ao Grammy de Melhor Álbum Country que Cash recebeu por "Unchained", disco produzido por Rick Rubin (o mesmo de grupos como Run DMC e Red Hot Chili Peppers). O texto é saborosamente irônico: "American Recordings e Johnny Cash gostariam de agradecer a indústria musical e as rádios country de Nashville pelo seu apoio".

Na época da premiação, Cash, aos 65 anos de idade, estava indignado com o establishment musical: apesar da aclamação unânime da crítica, suas músicas eram simplesmente desprezadas pelas rádios country americanas, que consideravam seu som anacrônico (apesar de "Unchained" conter regravações de músicos contemporâneos como Soundgarden e Beck). Mas não apenas ele: seus colegas de geração, como os veteranos mestres do country Willie Nelson, Merle Haggard e George Jones, também eram sumariamente ignorados pelas FMs em geral.

Johnny, "The Man in Black", nunca foi de fugir a uma briga. Em 1988, Cash começava a sofrer as primeiras seqüelas do Mal de Shy-Drager, doença degenerativa semelhante ao Mal de Parkinson. Contudo, apesar da saúde debilitada, não deixou perder a oportunidade de criticar a mediocridade das estações musicais americanas (se a moda pega no Brasil...). Rick Rubin, seu produtor, tratou de financiar o anúncio, que foi primorosamente ilustrado com uma foto de Johnny Cash tirada em 1970, durante um show realizado na prisão de San Quentin, na Califórnia.

No rodapé da foto, outra frase significativa: "obrigado a todos que fazem a diferença: vocês sabem quem são". Johnny Cash, ignorando os problemas de saúde, gravou álbuns até os 70 anos (encerrando a carreira com o primoroso "American IV: The Man Comes Around", que inclui a antológica regravação de "Hurt", do Nine Inch Nails) e recebeu mais três prêmios Grammy após a publicação do anúncio (incluindo um pelo conjunto da obra em 1999). De resto, o que dizer do único homem incluído no Rock and Roll Hall of Fame, Country Music Hall of Fame e Songwriter's Hall of Fame? As canções de Johnny Cash transcendem décadas, gêneros musicais, premiações, palavras enfim.

Fonte: Pensar Enlouquece. Pense Nisto.
Dias Chuvosos
Fico feliz quando chove
Apesar dos pés molhados, sinto alegria.
Não sei por que, mas tenho a impressão de harmonia com a natureza
Quando chove.

Água tem o símbolo de pureza, de que tudo vai ficar mais limpo
E quando ela desce, formando correnteza, passa aparência de força
Quanto mais forte a chuva, mais eu gosto dela.
Ficar molhado é o preço, caso esteja desprevenido de capas e guarda-chuvas

Mas eu prefiro pagar o preço de estar molhado
A estar triste num dia de calor e sol forte.
Dias de sol também me deixam feliz
Dias nublados e sem chuva me deixam nostálgico

No fundo, é tudo desculpa pra mostrar que se está feliz
Não importa o clima nem o ambiente.
Quando simplesmente tu decides que estás feliz
Parece que o universo conspira a nosso favor.

Polícia paraguaia descobre novo tipo de maconha


A polícia antidrogas do Paraguai descobriu uma nova variedade de maconha, "a mentolada", durante uma operação realizada na fronteira com o Brasil.

Os especialistas antidrogas e as autoridades judiciais explicaram ao jornal La Nación que se trata de uma erva geneticamente modificada para ter sabor de menta e ser colhida em três meses, ao invés dos seis tradicionais. "É um novo tipo de maconha que está sendo plantando nestas colônias. É de pequeno porte, porém os traficantes precisam de apenas de três meses para colhê-la", declarou o juiz Alberto Sosa Vera.

O magistrado lidera uma operação conjunta com policiais antidrogas do Brasil iniciada há três dias na região de Pedro Juan Caballero, 540 quilômetros ao noroeste de Assunção e na fronteira com o país vizinho.

Durante o procedimento, a Senad destruiu 42 hectares de plantação da erva, o que representou para os traficantes um prejuízo de aproximadamente um milhão de dólares.

Na região de Pedro Juan Caballero, capital do departamento de Amambay, é cultivado um tipo de maconha muito apreciado pelos traficantes, em uma extensa região de selva e com pouca vigilância dos dois lados da fronteira.

13 de dezembro de 2003


Mulher bonita afeta modo como homem encara o dinheiro


Uma mulher bonita causa mais do que atração nos homens: faz eles desejarem mais dinheiro na mesma hora, mesmo que saiam perdendo a longo prazo. O fato é senso comum entre os publicitários que usam modelos em suas campanhas, mas acaba de ser embasado por dois psicológos da Universidade McMaster, no Canadá.


Os pesquisadores Margo Wilson e Martin Daly mostraram para 209 estudantes, homens e mulheres, fotos de pessoas atraentes do sexo oposto. Depois, perguntaram se eles prefeririam um cheque entre US$ 15 e US$ 35 amanhã ou um entre US$ 50 e US$ 75 outro dia no futuro. Após olharem as beldades, a maioria dos homens preferiu a gratificação imediata ao bônus maior. A vontade das mulheres não foi alterada pela visão de homens bonitos nem a dos homens ao verem mulheres de beleza comum ou carros de luxo.


Os cientistas já sabiam que a maioria dos animais prefere recompensas menores imediatas do que maiores no futuro. Isso também ocorre entre os humanos, mas os valores que levam a decisões desse tipo variam entre as pessoas. Se o bônus futuro for grande o suficiente, a maioria prefere esperar. Há casos, no entanto, em que os humanos não se comportam dessa maneira, como no caso de viciados, que preferem um pouco de droga agora do que muito mais no futuro.


Apesar de ainda não terem desvendado os mecanismos psicológicos que levam a essas decisões, os psicólogos supõem que a visão de uma bela mulher resulta em atração, ativando os mecanismos neurais associados com a oportunidade sexual. Isso pode fazer com que eles queiram dinheiro imediato para impressionar essas mulheres. Esse comportamento pode ter sido um traço evolutivo vantajoso: homens com mais recursos têm mais chances de conseguir a garota que desejam.


O estudo também sugere que as áreas do cérebro acionadas por um rosto bonito estão ligadas àquelas que calculam as recompensas. Os cientistas pretendem agora estudar se os homens também desejam outros recursos para impressionar as garotas, como comida ou presentes, e se homens mais velhos ou casados são imunes aos efeitos de uma bela face feminina.



12 de dezembro de 2003


O rebocador de asteróides

Návio cósmico evitará choque de bólidos celestes com a Terra

Para evitar que um bólido celeste atinja a Terra, uma nave espacial equipada com motores de plasma pode alterar sua órbita.


REBOCADOR ESPACIAL desloca um asteróide em rota de colisão com a Terra, em concepção artística especulativa. O rebocador pode usar motores de plasma para deslocar continuamente o asteróide na direção desejada. Uma série de painéis radiadores dissipam o calor gerado pelo reator nuclear da nave, localizado na seção mais próxima da superfície do asteróide


Utopia

“As utopias parecem bem mais realizaveis do que se poderia acreditar antigamente.
E nós nos encontramos atualmente diante de uma questão angustiante de maneira bastante
diversa: Como evitar sua realização definitiva?
... As utopias são realizaveis. A vida caminha em direção às utopias.
E começa um novo século, talvez um século em que os intelectuais e a classe cultivada
sonharão com os meios de evitar as utopias e retornar a uma sociedade não-utópica,
menos perfeita e mais livre.”
Nicolas Berdiaeff

Nunca estamos satisfeitos. A diferença existente entre um ser humano e outro
faz com que sejamos obrigados a distinguir o que é superior e o que é inferior.
O que possuímos, o que somos, com quem nos relacionamos e o que padronizamos como bonito,
torna o ser humano cada vez mais condicionado a escolher.
E as escolhas tende a se multiplicar em busca de oferecer aos singulares vivíparos
os meios mais fáceis de satisfação. Mas eles nunca se satisfazem.
Cada vez que atingem um objetivo, se põe a almejar algo mais adiante, mais satisfatório.
Tudo em busca da perfeição, da utopia, do sonho realizado.
Então vem alguem nos sacode e diz:
- Esqueça o resto. O que tu busca é o PODER.
E quando o poder está nas tuas mãos, percebe que só aquilo não basta.
É preciso mais poder, Ter o controle deste poder, expandir e defender,
como numa guerra por território onde todos os meios são válidos.
E na guerra, como todos sabem, o primeiro soldado a cair morto é a VERDADE.
Defendam-se e digam a todos que o que procuram é apenas LIBERDADE e FELICIDADE.
E com isso estarão planamente satisfeitos.

11 de dezembro de 2003


Relíquias em Vinil Online


Conheça um site com muitos discos estranhos e capas esquisitas

Na Internet é normal ver sites que ostentam manias e coleções estranhas. Mas ninguém foi tão fundo quanto Frank La Ros, que resolveu montar seu museu digital particular, intitulado Frank's Vinyl Museun, o lar dos discos de vinil esquisitos.


A estrutura do site é extremamente simples: os discos estão divididos em ordem alfabética. Ao clicar na obra que se deseja, abre-se uma página com a imagem da capa um pouco maior (que também está disponível em tamanho natural) e comentários sobre os discos e as músicas. Em todos os casos, Frank oferece aos internautas algumas faixas dos discos, que podem ser ouvidas por streaming.


Outro detalhe interessante da página, que tem um dos papéis de fundo mais antiquados da história da internet, é que os internautas podem deixar seus comentários sobre as músicas.


As Pérolas

Entra as prediletoas do site está um disco cover dos Beatles feito por cães chamado Beatle Barkers (no original, Barkers se refere a aquele que late, sem ser necessariamente um cão). De extremo mal gosto, a idéia chega a ser engraçada - Love Me Do e I Saw Her Standing estão disponíveis no site. A capa do LP também não fica atrás: quatro cães, com franjinhas e terno, sobre um palco e empunhando instrumentos.


Há ainda centenas de belas capas no site, como o disco gravado por Telly Savalas, o Kojak e a pérola de Muhamad Ali, o ex-boxeador, que traz uma mensagem positiva para as crianças (que elas escovem sempre os dentes). A capa deste LP, intitulado Ali and His Gang vs Mr Tooth Decay, é de beleza surreal: com Ali ao lado de um arco-íris. Vale a visita. E mais ainda a cuidadosa audição.



Como mostrado no filme, os alienígenas genocidas são da
mesma espécie que caiu em Roswell. Mas um deles sobreviveu. Usando
engenharia genética, transformou-se em Werner von Braun e ajudou a criar o
programa espacial norte-americano, de modo que houvese satélites para os
colegas destruirem anos depois. Depois disso, o ET transformou-se em Bill
Gates e criou a Microsoft, com ajuda da informática alienígena.
Infiltrou-se também na Casa Branca, para criar um clima propício à invasão.

Mas alguma coisa saiu errado...
"Se achas uma coisa enfadonha , tudo acharás enfadonho"
(Buda)


O tédio está no nosso caráter, não no mundo. "Se você está entediado", eu ouvi dizer, "é porque você é entediante". Pense nisso.

Quando você está entediado, a tendência é entediar os outros. Ao mesmo tempo, se está entediado é porque atrai o tédio. Não é o mundo que o aborrece, é você que aborrece o mundo.


Porque desperdiça este momento da sua vida?

Papai Noel alemão passará Natal na prisão por distribuir heroína

Tira1: Hei Bom Velhinho, o que você está distribuindo para as crianças?
Noel: Nada, nada, são apenas doces.
Tira1: Doces?
Tira2: Heroína e ácido da cadeia.
Noel: Não, mas... er er er.
Tira1: Pare de correr Noel.
Tira2: Vou acertá-lo no joelho e você chuta a cara dele.

Tempos modernos, as coisas mudam. Talvez a culpa seja das crianças ou até dos pais delas, veja se isso é presente para dar de Natal.
Um cara que faz uns desenhos muito legais, são bastante reais, mas sem deixar de parecer uma ilustração, muito bom. O nome dele é a Tim Jessel.

10 de dezembro de 2003

"Terra boa e gostosa
da morena cestosa
de olhar indiscreto"


Ah que coisa mais linda!

Meu Brasil Brasileiro!
Meu Brasil do Pandeiro!



"Naquela direção", o Gato disse, apontando com a pata direita, "vive um Chapeleiro: e naquela direção", apontando com a outra pata, "vive uma Lebre. Visite qualquer um que lhe agrade: ambos são loucos."Mas eu não quero estar no meio de loucos," Alice respondeu. "Oh, você não pode evitar," disse o Gato: "somos todos loucos aqui. Eu sou louco. Você é louca." "Como você sabe que eu sou louca?" disse Alice. "Você deve ser," disse o Gato "ou você não teria vindo aqui."



One pill makes you larger and one pill makes you small
and the ones that mother gives you don't do anything at all
go ask Alice when she's ten feet tall

And if you go chasing rabbits and you know you're going to fall
Tell'em a hooka smoking caterpillar has given you the cord
Call Alice when she was just small

When men on the chessboard get up and tell you where to go
and you just had some kind of mushroom and your mind is moving low
go ask Alice, I think she'll know
When logic and proportion have fallen sloppy dead
and the white knight is talking backwards
and the red queen's off with her head
Remember what the Dormouse said
Feed your head! Feed your head!
Feed your head!

(White Rabbit - Grace Slick)

Jefferson Airplane

Falarei dela assim que descer.


E o que é um Zumbi?

Zumbi ou Zumbie, no vodu haitiano, corpo sem alma a que se devolve a vida para ser empregado em trabalhos físicos.

Nas tradições vodu, um zumbi é:

Um ser humano a quem um bokor (sacerdote ou sacerdotisa) roubou o ti bon ange (alma menor). Este roubo é feito mediante técnicas de magia negra quando a pessoa está morrendo, e imediatamente depois de morrer. O ti bon ange é conservado em uma garrafa pelo ladrão, que a partir desse momento tem controle absoluto do corpo da pessoa morta. Esta carece de pensamento e controle autônomo, de modo que pode ser manejada como um escravo total e absoluto por parte do ladrão. Com o passar do tempo, o zumbi vai deteriorando-se, como se aprodecesse, e finalmente seu corpo acaba por morrer também.

O zumbi se converte assim em escravo do houngan, servindo-o em um estado de tranze cataléptico como ‘morto vivo’. Acredita-se que os ghede (espíritos dos mortos que usam chapéus de copa) também podem criar zumbis.

Como os vampiros e lobisomens, os zumbis se converteram em personagens freqüentes de quadrinhos e filmes de terror.

Acredita-se que zumbi vem de zumbi, uma palavra que no Zaire se utiliza para referir-se aos médiuns, fantasmas ou outros espíritos dos mortos. A mesma palavra, zumbi, também se refere a um deus com forma de serpente python, reverenciada por alguns povos do oeste africano.
Bactéria multirresistente mata 18 na França

Dezoito pessoas morreram infectadas por uma bactéria "multirresistente" aos antibióticos em vários hospitais do Norte da França. A informação foi divulgada pela Direção Geral da Saúde do país.

Desde o dia 3 passado, 112 pessoas já foram afetadas por esta bactéria em 21 hospitais do Norte do país e cada caso está sendo objeto de uma investigação. O germe em questão, o Acinetobacter baumannii, é uma bactéria freqüentemente resistente a numerosos antibióticos. Ela é responsável por infecções hospitalares, atacando particularmente pacientes fragilizados nas unidades de tratamento intensivo.

Os sintomas são: nenhum. Simplesmente, de repente, você vira...

UM MONSTRO E MORRE!

9 de dezembro de 2003

Saitá saitá tiuripú no ranagá
narandá narandá
aca shiro quiiro
hono hana mite mô
quire idana

Popopo hato popo
Mamegá oshi ika
soha ariuzo


Uma pequena brincadeira, em homenagem a um bom velho professor.












A viatura foi chegando devagar
E de repente, de repente resolveu me parar
Um dos caras saiu de lá de dentro

Já dizendo, ai compadre, você perdeu
Se eu tiver que procurar você ta fudido
Acho melhor você ir deixando esse flagrante comigo
No início eram três, depois vieram mais quatro
Agora eram sete samurais da extorção
Vasculhando meu carro
Metendo a mão no meu bolso
Cheirando a minha mão

De geração em geração
Todos no bairro já conhecem essa lição

Eu ainda tentei argumentar
Mas tapa na cara pra me desmoralizar
Tapa, tapa na cara pra mostrar quem é que manda
Pois os cavalos corredores ainda estão na banca
Nesta cruzada de noite encruzilhada
Arriscando a palavra democrata
Como um santo graal
Na mão errada dos homens
Carregada de devoção

De geração em geração
Todos no bairro já conhecem essa lição

O cano do fuzil, refletiu o lado ruim do Brasil
Nos olhos de quem quer
E me viu o único civil rodeado de soldados
Como seu eu fosse o culpado
No fundo querendo estar
A margem do seu pesadelo
Estar acima do biótipo suspeito
Mesmo que seja dentro de um carro importado

Com um salário suspeito
Endossando a impunidade a procura de respeito
Mas nesta hora só tem sangue quente
E quem tem costa quente
Pois nem sempre é inteligente
Peitar um fardado alucinado
Que te agride e ofende para te
Levar alguns trocados

Era só mais uma dura
Resquício de ditadura

O Rappa - Tribunal de Rua

"Daí dever-se atentar para o fato de que os homens
devem ser amimados ou liquidados, pois que se vingam
das pequenas afrontas e das graves não podem fazê-lo.
Em razão disso, o agravo que se faz a um homem nunca
deve deixar margem a vinganças."

O Príncipe de Maquiavel - p. 12

8 de dezembro de 2003


"Não tenho inimigos apenas concorrentes que gostariam
de ser como eu sou e fazer o que eu faço, por isso me
odeiam tanto e tentam denegrir minha imagem. É pena,
pois não sou nem fiz um terço do que sou capaz"

Normalmente, em um dia típico, me masturbo 3 vezes, fumo 12 cigarros e bebo 1 litro de café. Claro que não tudo junto, não consigo me masturbar no trabalho, acho repugnante e o café de lá... me dá nojo.
Eu só quero trepar, me drogar e ouvir música. Música, isso eu prezo muito, mais que tudo.
Algum problema nisso?

Quando me masturbo faço questão de que, minha gata esteja presente. Achei ela dentro de uma lata na esquina da minha casa, não sei porque, mas ela me passa uma sensação boa (quero deixar claro que não tenho vontade de come-la). Simplesmente gosto de ver ela me encarando.

Bebo muito, sempre até cair, gosto de sentir o chão se aproximando da minha cabeça. Rolando pela ruelas, comendo com os ratos, ao menos no fim de semana, senão eu morro de tédio, como pode?

Em um dia típico, mas não hoje.
Hoje eu parei de beber, não fumo mais. Virei vegetariano, isso mesmo!
Até fui na Igreja, nem pensei em cuspir no padre. Nunca mais briguei. Estou correndo todos os dias.

Ha
Quem eu quero enganar?
Prefiro ficar com minha gata e meus cigarros.

5 de dezembro de 2003

Obtida fotografia com resolução de 1 gigapixel


Max Lyons, um fotógrafo norte-americano, quebrou uma das barreiras da fotografia digital ao capturar uma imagem com resolução de 1 gigapixel. A foto mostra Bryce Point, ponto turístico do Parque Nacional Bryce Canyon, em Utah, EUA.

A gigantesca imagem foi criada costurando-se 196 fotografias diferentes tiradas com uma câmera digital de 6 Megapixels. Após nove dias de trabalho, usando como ferramentas os softwares Panorama Tools, Photoshop e algumas soluções personalizadas, o resultado foi uma fotografia panorâmica com resolução de 40,784 x 26,800 pixels, com um total de 1,093,011,200 pixels, ou 1.09 gigapixel.

Segundo Max, ele não encontrou nenhuma referência a outras imagens nesta resolução, o que o leva a crer que foi o primeiro a romper a barreira do Gigapixel. O arquivo final, salvo em RGB no formato TIFF, tem mais de 2 gigabytes de tamanho. Uma cópia da imagem, impressa a uma resolução de 300 dpi, teria 3.3 metros de largura.

O nível de detalhes supera até mesmo a visão humana. Segundo o fotógrafo, calculando a resolução ideal da visão humana em 1 arco-minuto (1/60 de grau), com 1 pixel para cada arco-minuto, uma imagem de 3780 x 2485 pixels já seria o suficiente para captar todos os detalhes visíveis por uma pessoa com visão ideal. Sua imagem de 1 gigapixel tem mais de 100 vezes esta resolução, mostrando detalhes que não seriam vistos nem mesmo por uma pessoa com um binóculo.

Max agora estuda meios de imprimir a imagem em resolução máxima, e a possibilidade de produzir e colocar à venda pôsteres com o seu trabalho.


Magnet

Prometo melhorar, mas minha ânsia foi maior.
Quem sabe lanço versões, até uma delas seja real.
Mas até lá, deixo assim mesmo.

4 de dezembro de 2003



A dança das borboletas

(Zé Ramalho - Alceu Valença) - © Emi

As borboletas estão voando
A dança louca das borboletas
Quem vai voar não quer dançar
Só quer voar, avoar...!
As borboletas estão girando
Estão virando a sua cabeça
Quem vai girar não quer cair
Só quer girar! Não caia!
As borboletas estão invadindo
Os apartamentos, cinemas e bares
Esgotos e rios e lagos e mares
Em um rodopio de arrepiar
Derrubam janelas e portas de vidro
Escadas rolantes e nas chaminés
Se sentam e pousam em meio à fumaça
E um arco-íris se sabe o que é....
Se sabe o que é.... Se sabe o que é....

3 de dezembro de 2003

A festa dos 50 anos da Tropicália começará em Nova Yorque.

acho que isso é o suficiente, não preciso mais comentar nada.

Que lixo!
onde está aquela gente que fazia música, viajava e não estava nem aí para o mundo.
talvez não sejamos nós a geração perdida.
perdidos são aqueles que renegam tudo aquilo em que acreditaram um dia.
negam sua vida, sua história.


Uma profunda tristeza no meu coração hoje. Faz com que as esperanças diminuam.
Família, família... às vezes eu tenho a sensação de que minhas atitudes não lhes agradam, tudo por causa de uma maldita diferença de conceitos e concepções em relação ao mundo. Gostaria de lhes voltar seu olhar preconceituoso
para minhas boas ações, para a relação de companheirismo que tenho com meus amigos. Posso não ter sido dos mais modestos na frase anterior, mas digo isso por que tenho consciência de que tenho tantas virtudes quanto os defeitos que eles insistem em ressaltar nas malditas conversas que temos. Amo meus pais, mas sinto que eles não querem que eu cresça, que vivencie o mundo e o que ele tem a oferecer, que eu tome na cabeça e mesmo abalado levante e prossiga meu caminho. Queria que eles entendessem que a forma que eu vejo o universo não é a mesma que eles vêem, e que mesmo considerando o fato de ser sustentado por eles, eu possa percorrer essa estrada do meu jeito. Sei que eles são as pessoas que mais me amam na face da terra, mas eu preciso caminhar com minhas próprias pernas e aprender com meus próprios erros. Por mais amigos que eu e meus pais um dia sejamos, eles jamais entenderão as formas que eu procuro para entender o significado da minha existência. Seja com os livros, ou com os discos de rock, ou com a calça rasgada, ou com as drogas. Eu os amo demais, mas não consigo viver da forma que eles querem que eu viva. Provavelmente, eu venha a entender um pouco do seu lado quando me tornar pai. Desculpem-me o desabafo. Eu precisava....

1 de dezembro de 2003

Um Índio

Um índio descerá
De uma estrela colorida brilhante
De uma estrela que virá numa velocidade estonteante
E pousará no coração do hemisfério Sul
Na América num claro instante
Depois de exterminada a última nação indígena
E o espírito dos pássaros das fontes de água límpida
Mais avançado que a mais avançada
Das mais avançadas das tecnologias
Virá, impávido que nem Muhamed Ali
Virá que eu vi
Apaixonadamente como Peri
Virá, que eu vi
Tranquilo e infalível como Bruce Lee
Virá, que eu vi
O Axé do Afoxé, Filhos de Ghandi
Virá
Um índio preservado em pleno corpo físico
Em todo sólido, todo gás e todo líquido
Em átomos, palavras, alma, cor,
Em gesto, em cheiro, em sombra, em luz, em som magnífico
Num ponto equidistante entre o Atlântico e o Pacífico
Do objeto, sim resplandescente descerá o índio
E as coisas que eu sei que ele dirá, fará, não sei dizer
Assim de um modo explícito
Virá, impávido que nem Muhamed Ali...
E aquilo que nesse momento se revelará aos povos
Surpreenderá a todos, não por ser exótico
Mas pelo fato de poder ter sempre
Estado oculto, quando terá sido o óbvio.

28 de novembro de 2003


"Há uma grande diferença entre se ajoelhar e ficar de quatro."
Frank Zappa
Talento em excesso



Eu me lembrei dessa história na semana passada, quando vi um anúncio de emprego. A vaga era de gestor de atendimento interno, nome que agora se dá à seção de serviços gerais. E a empresa contratante exigia que os eventuais interessados possuíssem -- sem contar a formação superior -- liderança, criatividade, energia, ambição, conhecimentos de informática, fluência em inglês e, não bastasse tudo isso, ainda fossem hands on. Para o felizardo que conseguisse convencer o entrevistador de que possuía mesmo essa variada gama de habilidades, o salário era um assombro: 800 reais. Não que esse fosse algum exemplo absolutamente fora a realidade. Pelo contrário, ele é quase o paradigma dos anúncios de emprego atuais. A abundância de candidatos está permitindo que as empresas levantem, cada vez mais, a altura da barra que o postulante terá de saltar para ser admitido. E muitos, de fato, saltam. E se empolgam. E aí vêm as agruras da superqualificação, que é uma espécie do lado avesso do efeito pitico...

Vamos supor que, após uma duríssima competição com outros candidatos tão bem preparados quanto ela, a Fabiana conseguisse ser admitida como gestora de atendimento interno. E um de seus primeiros clientes fosse o seu Borges, gerente da contabilidade.

-- Fabiana, eu quero três cópias deste relatório.
-- In a hurry!
-- Saúde.
-- Não, isso quer dizer "bem rapidinho". É que eu tenho fluência em inglês. Aliás, desculpe perguntar, mas por que a empresa exige fluência em inglês se aqui só se fala português?
-- E eu sei lá? Dá para você tirar logo as cópias?
-- O senhor não prefere que eu digitalize o relatório? Porque eu tenho profundos conhecimentos de informática.
-- Não, não. Cópias normais mesmo.
-- Certo. Mas eu não poderia deixar de mencionar minha criatividade. Eu já comecei a desenvolver um projeto pessoal visando eliminar 30% das cópias que tiramos.
-- Fabiana, desse jeito não vai dar!
-- E eu não sei? Preciso urgentemente de uma auxiliar.
-- Como assim?
-- É que eu sou líder, e não tenho ninguém para liderar. E considero isso um desperdício do meu potencial energético.
-- Olha, neste momento, eu só preciso das três có...
-- Com certeza. Mas antes vamos discutir meu futuro...
-- Futuro? Que futuro?
-- É que eu sou ambiciosa. Já faz dois dias que eu estou aqui e ainda não aconteceu nada.
-- Fabiana, eu estou aqui há 18 anos e também não me aconteceu nada!
-- Sei. Mas o senhor é hands on?
-- Hã?
-- Hands on. Mão na massa.
-- Claro que sou!
-- Então o senhor mesmo tira as cópias. E agora com licença que eu vou sair por aí explorando minhas potencialidades. Foi o que me prometeram quando eu fui contratada.


Então, o mercado de trabalho está ficando dividido em duas facções. Uma, cada vez maior, é a dos que não conseguem boas vagas porque não têm as qualificações requeridas. E o outro grupo, pequeno, mas crescente, é o dos que são admitidos porque possuem todas as competências exigidas nos anúncios, mas não poderão usar nem metade delas, porque, no fundo, a função não precisava delas.

Alguém ponderará -- com justa razão -- que a empresa está de olho no longo prazo: sendo portador de tantos talentos, o funcionário poderá ir sendo preparado para assumir responsabilidades cada vez maiores. Em uma empresa em que trabalhei, nós caímos nessa armadilha. Admitimos um montão de gente superqualificada. E as conversas ficaram de tão alto nível que um visitante desavisado que chegasse de repente confundiria nossa salinha do café com o auditório da Fundação Alfred Nobel.

Até que um dia um grupo de marketing e finanças foi visitar uma de nossas fábricas. E, no meio da estrada, a van da empresa pifou. Como isso foi antes do advento do milagre do celular, o jeito era confiar no especialista, o Cleto, motorista da van. E aí todos descobriram que o Cleto falava inglês, tinha noções de informática e possuía energia e criatividade. Sem mencionar que estava fazendo pós-graduação. Só que não sabia nem abrir o capô.

Duas horas depois, quando o pessoal ainda estava tentando destrinchar o manual do proprietário, passou um sujeito de bicicleta. Para horror de todos, ele falava "nóis vai" e coisas do gênero. Mas, em 2 minutos, para espanto geral, botou a van para funcionar. Deram-lhe uns trocados, e ele foi embora feliz da vida.

Aquele ciclista anônimo era o protótipo do funcionário para quem as empresas modernas torcem o nariz, uma espécie de pitico contemporâneo. "O que é capaz de resolver, mas não de impressionar."



Antonio A. Stein Jr
Eng. de Métodos e Processo

27 de novembro de 2003

Foi inevitável, era preciso.
Ao ver a letra de uma das músicas que embalaram minha infância (mesmo sendo totalmente kitchie e brega), não pude me conter, tinha que fazer as pessoas lembrarem dela. Porque certamente não aconteceu só comigo, mais alguém deve lembrar deste clássico francês, que assim como tantas outras, fala de viagens, de lindas viagens. E nos brinda com o inesquecível refrão Voyage, voyage.

"Au dessus des vieux volcans,
Glisse des ailes sous les tapis du vent,
Voyage, voyage,
Eternellement.
De nuages en marécages,
De vent d'Espagne en pluie d'équateur,
Voyage, voyage,
Vole dans les hauteurs
Au dessus des capitales,
Des idées fatales
Regardent l'océan...

Voyage, voyage
Plus loin que la nuit et le jour, (voyage voyage)
Voyage (voyage)
Dans l'espace inouï de l'amour.
Voyage, voyage
Sur l'eau sacrée d'un fleuve indien, (voyage voyage)
Voyage (voyage)
Et jamais ne revient."

26 de novembro de 2003

...e numa rua escura na madrugada...(p100)

Gadelha abriu a porta e se jogou atrás do carro com a arma em punho. Clayton continuava sentado no mesmo lugar e sentia dor no pé.
Quando a polícia começou a se aproximar, Gadelha começou a atirar em sua direção, fazendo com que cada um procurasse um lugar seguro. Em segundos, um tiroteio começou e Clayton não conseguia se desprender do cinto de segurança por causa do medo e nervosismo. Enquanto Gadelha parou para recarregar a arma, um dos policiais se posicionou a poucos metros dele e ficou esperando o melhor momento para abrir fogo contra o meliante.
Gadelha carregou apressado o revólver e quando levantou para atirar, levou um tiro no ombro esquerdo fazendo-o abaixar novamente. O policial não parou de atirar e seus companheiros se aproximaram atirando em direção ao carro.
Clayton sentiu uma fisgada nas costas no momento em que conseguiu soltar o sinto. Abriu a porta despencou para o lado de fora acenando estar desarmado com as mãos para o alto. O único policial que não estava próximo do carro ordenou o cessar fogo, percebendo o homem ferido no chão. Todos obedeceram, menos o policial mais próximo de Gadelha que continuou a atirar por não ouvir o comando.
Quando percebeu, Gadelha agonizava com um tiro na garganta e pedia socorro. Sua arma estava caída longe do braço machucado. O policial chutou a arma para longe, apontou a sua para a cabeça de Gadelha e disparou até acabar sua munição.
Por baixo do carro, Clayton viu o antes companheiro de infância ser sumariamente executado enquanto já não oferecia mais perigo a ninguém. Sentiu alívio e pena quando os tiros pararam.

ATENÇÃO


Muito cuidado ao parar nos semáforos que tem aqueles malabaristas com fogo,
pois enquanto vcs estão assistindo ao show um outro malabarista vem por trás
de seu carro e arremessa um coquetel molotov no capo do carro, então
você com o carro em chamas sai correndo desesperado, nesse momento vem um
terceiro malabarista chega e joga um chimpanzé adestrado dentro do seu
carro, este chimpanzé rouba o som e o que mais tiver dentro do automóvel,
depois disso dois falcões peruanos de caça ficam dando rasante sobre a sua
cabeça, te distraindo, enquanto aparecem ursos pandas num patinete
motorizado verde musgo e todos fogem cantando "A Festa" de Ivete Sangalo...


Aconteceu com o primo do cunhado da irmã da tia de um amigo que a
namorada do meu amigo conheceu um dia.


Por favor, divulguem esta mensagem para o máximo de pessoas
possíveis para que elas se previnam destes perigosíssimos delinquentes!!!
Sexo Drogas e Elvis!!

Tudo isso se passando no antigo Egito. Essa é a proposta da história When I am King.

Gráficos muitos legais, a história ainda inclui muito humor e "pornografia". Vale a pena conferir. Cinco capítulo de muita aventura.

























25 de novembro de 2003

Johnny Cash - Hurt

intro: Am C G x2 terminando em Am

Am C D Am C D Am
E|------0---------0------2-------0-------0--------2------0----|
B|------1---------1------3-------1-------1--------3------1----|
G|------2---------0-----2--------2-------0------2--------2----|
D|----2---------2-----0-------2--------2------0--------2------|
A|--0--------3--------------0--------3----------------0-------|
E|------------------------------------------------------------|



(C G Am)
I hurt myself today, to see how fast will feel,
I focus on the pain the only thing it´s real
The neddle tears a hole, the old familiar stink, try to kill it all the way,
But i remember everything

Refrão : ( toque como se estivesse tocando piano, ou seja, belisque uma corda grave e logo em seguida três agudas )

G, Am7, F6, C5, G

E|----3-------3-------3-------3--------3------|
B|----3-------1-------1-------1--------3------|
G|----0-------0-------2-------0--------0------|
D|----0-------2-------3-------2--------0------|
A|----2-------0-------0-------3--------2------|
E|----3-------0-------0-------0--------3------|

C F G Am F G
what have I become, my sweetest friend, every one i know, goes away in the end,
Am F
and you could have it all,
G Am F
my empire of dirt, I'll let you down
G Am
I'll make you hurt

(C G Am)
I wear this crown of torns upon my wire chears,
full of broken thoghts I cannot repair, beneath those things of time,
the feeling disappear,
you are someone else, I'm still right here.

Refrão

Am F G Am F G Am
If I could start again a million miles away, I will keep myself, I would find a way...
A VACA PÚRPURA
Um escritor chamado Seth Godin, Marketeiro-Mor da Lingua espanhola, publicou um livro
Chamado The Pulple Cow , ou A Vaca Púrpura, onde ele ressalta que num rebanho inteiro de vacas, se uma delas tiver uma cor (pelagem) diferente, esta se sobressairá dentre as outras. E ai entra o Marketing.
Vejam o trecho:
Relata Seth que en un viaje familiar que hizo por la campiña francesa, quedaron fascinados por la cantidad de vaquitas que vieron pastando en los campos a la vera de la ruta. Durante kilómetros las admiraron por la ventanilla del auto, vacas y más vacas (se nota que el muchacho no acostumbra pasear por las pampas argentinas). Al poco tiempo, lo notable se había transformado en aburrido: otra vaca marrón más, y ya van... “Seguramente una vaca púrpura se hubiera distinguido inmediatamente en el conjunto. Sobre lo notable todos conversamos, pues nos llama la atención. En cambio, lo aburrido se vuelve invisible inmediatamente”, destaca el autor.


Quando Lama Surya Das descobriu o Buy Nothing Day, decidiu-se juntar ao partido. Em seguida, pediu a Opinion Research Corp. para fazer uma avaliação com 1000 pessoas e para avaliar o nível de consumo dos americanos depois do Thanksgiving. Vejam o que encontraram:

- 61% pretendem a estar tão distante das lojas o quanto possível?
- 35% têm um monte de caqueira remanescente dos natais em seus armários
- 33% admitem jogarem no lixo presentes de natal

Participe desta campanha. No site Adbusters mais informações sobre o dia de não comprar nada.


Aquela garota, era tão linda, mas tão burra, gostava de sexo, mas não deixava eu tocá-la, eu ficava injuriado, com vontade de esmagar sua cabeça com uma pedra, ou decepar suas pernas com uma foice. Forte? É, talvez um pouco, acho que é por causa da bebida. Mencionei que sou alcoólatra?
Espero que quando eu estiver careca eu não vire um careta.

24 de novembro de 2003

Michael Jackson lançou um site na internet para se defender das acusações que vem sofrendo.

Aquele homem que mais parece um boneco de cera, é muito mais conciso que a maioria das pessoas. A mídia é enojante quando sufoca as pessoas. Quem nunca fez, ou não conhece alguém que tenho feito o que o grande astro pop já fez? A vizinha que ficou irreconhecível depois que gastou as economias das últimas duas décadas para esticar a cara e ficar com um corpo de Barbie. A tia malvada que segura, ou melhor 'arrasta' os filhos pelos braços. O vô com mania de grandeza que tem um ilha de edição e uma antena no telhado capaz de transmitir para o Alasca, só para captar sinais de todo o mundo e ficar ouvindo meias palavras inteligíveis no seu ouvido quase surdo. E daí! Me digam, quem se importa com isso?

Eu não estou interessada na vida de Jackson, de Ronaldinho ou de quem quer que seja. Não me interessa saber que a Britney tem uma casa na Inglaterra que o vale o que eu nem posso contar. Isso é problema deles! Não quero essa cultura inútil ocupando meu tempo e as páginas de jornal. Porque não se fala mais de Hemingway, de música, de Momix? Essas coisas que as pessoas deveriam conhecer, não aparecem nem em notinhas.

Ahh mídia pobre e desaculturada, tenha vergonha do que nos mostra.

22 de novembro de 2003

Era mais um daqueles malditos dias em que você tenta descobrir qual o motivo de sua existência nesse maldito universo. Pelo menos, funcionava assim comigo. Enquanto carros trafegavam pela avenida principal, eu fumava um cigarro e assistia pela janela ao espetáculo deprimente e degradante em que a humanidade tornara a vida nesse maldito planeta. E milhares de coisas passavam pela minha cabeça, desde os motivos que levam alguém a matar outras pessoas até o triste fato de que eu nunca amara ninguém em sequer um dia de minha vida até aquele momento. Depois, eu tentei imaginar uma explicação lógica para os tamanhos gastos com prostitutas e bebidas que haviam me levado a uma percentual falência. “My Way”, em uma competentíssima performance de Elvis Presley, ecoava em meu apartamento enquanto eu ingeria doses e mais doses de uísque barato. Já não se pagava tão bem os roteiristas de quadrinhos alternativos, e meus free-lances como escritor de livros eróticos, vendidos em qualquer banca da cidade assinados por pseudônimos como “Juan Ortega” ou qualquer outro de procedência hispânica, não bastavam para sustentar meus vícios e prazeres.
Glória levantou-se da cama e acendeu um cigarro. Por um tempo me detive observando seu corpo jovem, o contraste de seus cabelos negros e sua pele alva, seus olhos borrados de maquiagem barata. Ela me olhou e acendeu o cigarro. Deu um sorriso. Tinha dentes bonitos. Brancos e bem encaixados em suas delicadas gengivas, as quais eu desejava naquele momento tocar com minha língua, após um zigue-zague em seu céu da boca. Queria beija-la e quando tocasse minha língua na sua, queria que ela me sentisse de verdade dentro dela, interagindo com seus órgãos internos da mesma forma que interagia com seu corpo todo.
Eu puxei o gatilho sem pensar. Atirei sem mais, apenas apontei a arma bem no meio de minha testa e disparei. Pude ver Glória gritando e abraçando meu cadáver, mas uma luz muito forte surgiu do nada. Vomitei estrelas enquanto as tropas do espaço me resgataram e eu pude conhecer Jesus Cristo, e ele era bem amigo de John Lennon. Estavam sentados lado a lado conversando sobre “Number Nine”, porque Jesus achava aquela música um saco, mas Lennon sabia que na verdade esse cara não gostava era de sua amada Yoko. Entretanto, Jesus afirmava aos quatro ventos que adorava “Helter Skelter”. Segundo Jesus, era a melhor música do “Álbum Branco” e de toda carreira dos Beatles. Jesus não gostava do “Sgt. Pepper’s”, nem da fase solo de Lennon. Mas mesmo assim eram bons amigos.

21 de novembro de 2003

Necrofilia homossexual de patos


O pato necrófilo ao lado de sua vítima (foto: C.W. Moeliker)


"O pato infeliz aparentemente tinha colidido com o prédio em pleno vôo a uma altura de três metros do chão. Próximo ao animal obviamente morto, um outro macho da mesma espécie estava presente. (...) Ele montou sobre o cadáver e começou a copular, com grande força, quase continuamente bicando o canto da sua cabeça."

Os trechos acima fazem parte de um artigo histórico: o primeiro relato de um caso de necrofilia homossexual entre patos da espécie Anas platyrhynchos, publicado na revista científica holandesa Deinsea. O autor é o pesquisador C.W. Moeliker, do Museu de História Natural de Roterdã, testemunha da cena que durou espantosos 75 minutos.

A observação era inédita: patos daquela espécie já haviam sido avistados copulando com animais mortos, mas nunca do mesmo sexo. Pela insólita descoberta, Moeliker foi agraciado com o Ig Nobel 2003 na categoria biologia. Como reza a tradição, o prêmio bem-humorado foi distribuído na mesma época do anúncio dos vencedores do Nobel -- com a presença de vários laureados 'de verdade'.

Em sua 13a edição, o Ig Nobel premiou em 2 de outubro resultados "que não podem ou devem ser reproduzidos", em dez categorias. O prêmio é organizado pela equipe da revista de humor científico Annals of Improbable Research. Como nas edições anteriores, a cerimônia de entrega ocorreu no Sanders Theatre, na badalada Universidade de Harvard.
"Depois de meses de ataques constantes dos Democratas contra o presidente Bush, o Partido Republicano está respondendo com sua primeira propaganda na campanha presidencial. Ela mostra o presidente combatendo o terrorismo, enquanto seus concorrentes tentam enfraquecê-lo com seu tiroteio.

O comercial dá a primeira indicação dos temas da campanha de Bush. Ele mostra Bush durante o último discurso do Estado da Nação, fazendo uma advertência sobre persistência das ameaças. "Nossa guerra contra o terror é uma luta de determinação, na qual a perseverança é poder", diz Bush, enquanto aparece na tela a denúncia: "Algumas pessoas estão criticando o presidente por atacar os terroristas."

Ao invocar indiretamente os ataques de 11 de setembro, o comercial usa o que os membros da Casa Branca há muito argumentam que é a maior vantagem política de Bush: a forma como reagiu aos ataques terroristas."

Fonte: The New York Times

No livro Controle da Mídia - Os espetaculares feitos da propaganda Noam Chomsky, fala justamente sobre essas questões. A denúncia da democracia do espectador, em que o cidadão comum, vivendo sob aparentes condições de liberdade mas solitário diante da TV, tem suas escolhas determinadas pela propaganda. É o que explica o apoio da maioria do povo norte-americano às sucessivas aventuras bélicas dos Estados Unidos. Apesar da idéia parecer manjada e da propaganda ter fama de ser exagerada, ilusionista e falaciana, tem funcionado à muitos anos, desde as primeiras guerras, até as mais recentes, passando pelo Vietnã, Camboja, Irã, e os novos atentados. Desde que descobriram as estratégias de marketing, os EUA passaram a dominar até mesmo grandes potências como a Inglaterra (algum duvida disso?).



Inês Benetti Hoy día Luna, día pena
hoy me levanto sin razón.
Hoy me levanto y no quiero
hoy día luna día pena.
Hoy día Luna, día pena
hoy me levanto sin razón.
Hoy me levanto y no llego
a ninguna destinación.

¡Arriba la Luna oeah!
¡Arriba la Luna oeah!

Hoy día Luna, día pena
hoy me levanto sin razón.
Hoy me levanto y no puedo
hoy día luna, día muero.

¡Arriba la Luna oeah!
¡Arriba la Luna oeah!
O ROCK MORREU.


É, na minha opinião o rock morreu e isso faz mais ou menos uns 30 anos, podem me criticar a vontade, eu não ligo, para mim o rock morreu.
Há algumas horas estava no Revival, um bar rock ´n roll aqui de Caxias do Sul, estava tocando a Blackbirds uma banda também rock ´n roll, mas não sei, ultimamente os caras não estão fazendo o rock ´n roll propriamente dito, estavam tocando o som de bandas atuais, não interessa, para mim são uma merda, se estão fazendo sucesso é porque tocam o que tocavam antigamente, mas as pessoas não percebem, se contentam com pouco.
Mas, depois de tocar várias músicas da banda, o vocalista falou que iriam tocar uma música de um grupo, que , na sua opinião era a salvação do rock. Me desculpe, mas sinceramente, salvação do rock? Hoje em dia só se faz merda, eu não sei qual é a banda, mas deve ser algo do tipo do Strokes ou sei lá, White Stripes? Que lixo, talvez a intenção dessas bandas seja boa, mas não consigo gostar.
As pessoas deveriam prestar atenção nas bandas que influenciaram essas bandas, essas sim são de qualidade, rock de verdade. Podem me xingar a vontade, para essas pessoas eu mando um foda-se antecipado, mas convenhamos... Eu sei, sou intolerante, mas foda-se, acho que eu vou ter que aprender a tocar, que merda, se quer uma coisa bem feita, faça você mesmo.
Procurem ouvir as bandas que realmente importam, ouçam Led Zeppelin, Beatles, Pink Floyd, Jimi Hendrix, Stones, Jeferson´s Airplane, Cream, Eric Clapton, ouçam tudo de Eric Clapton, Animals, Monkees, Frank Zappa ,Syd Barrett, Love, Creedence, Bob Marley, Stooges, Sex Pistols, Ramones, Ozzy, Velvet Underground, James Brow, Taj Mahal, Bob Dylan, Janis Joplin, Miles Davis, The Who, Jethro Tull, Doors, Beach Boys, Moody Blues, ouçam o blues dos anos 50, ouçam Elvis ao invés de ficarem pulando Carnaval, ouçam o som brasileiro, o Brasil é um país fudido, o que é feito, é feito com qualidade, ouçam Mutantes, Raul Seixas, Casa das Máquinas, Chico Buarque, Caetano, Gilberto Gil, Lobão, Elis Regina, Belchior, Secos e Molhados, Cazuza, Tim Maia, Jorge Ben Jor, Jupiter Maça e mais muitos outros, não esqueçam de Beethoven, Mozart, Wagner, ouçam tudo... o que é bom.
Foda-se, não me venham com cada um tem sua opinião, todos sabemos o que é bonito quando vemos uma coisa bonita, sabemos diferenciar o bom, do mais ou menos e do ruim. Por isso, não me venham com blá, blá, blá, é só olhar em volta, tudo ta uma merda, o rock morreu, para mim não tem salvação. Estão desesperados e querem se iludir com algo que não existe.
O rock morreu, não dentro de mim, mas morreu. O que posso fazer é apagar as luzes, acender uma vela, colocar um disco na vitrola e me lamentar, ou melhor ainda, curtir, curtir muito, porque a música não pode parar.
A DEUSA

Eu entrei no avião e ela veio em seguida. Linda. Bem vestida, cheirosa.
Maravilhosa. Passou por mim como uma deusa, ciente de sua majestade. Fiquei impressionado. Como pode existir uma mulher assim?
Pois no vôo de volta, lá estava ela outra vez. Que sorte a minha! Desci do avião e entrei naquele ônibus desgraçado de Congonhas, a caminho da ala de desembarque. Vi que ela vinha ao longe, puxando sua malinha e mais uma vez apreciei o desfilar da deusa. Aí ela torceu o pé e caiu. Levando junto toda minha admiração pela deusa que, agora, não passava de um desconjuntado monte de carne e roupa, descabelado e amassado, esparramado no chão. Não sei o que foi pior, o ridículo da situação ou o choque que destruiu em mim aquela aura mítica, da deusa intocável.


Lembrei de um presidente dos EUA caindo na escada do avião. Lembrei da
supermodelo torcendo o pé na passarela. E daquela miss que nos anos 70 desabou ao descer a escada...


Você já viu uma pessoa humilde levar um tombo?
E qual foi sua reação?
E quando a pessoa não era humilde, mas rica , elegante ou poderosa?
Sua reação foi igual?
Não sei. Tem gente que corre acudir. Tem gente que morre de rir. Tem gente que prefere não olhar. Tem gente que torce pro outro cair.
Mas todos sentem o ridículo da situação.
Cada momento desses é único. Destrói a aura dos ícones, transformando-os em seres humanos. Iguaizinhos a nós.
E mostra como é tênue a aura de majestade que doamos às pessoas que, por algum motivo, nos despertam fantasias de poder, dominação, luxo e riqueza. O tombo da gostosa, trouxe-a de volta para o mundo real. Destruiu em mim uma fantasia. E mostrou que a realidade não nos serve, por ser nua e crua.
A realidade é muito pouco para rechear nossas vidas.
Sem fantasia, não temos deusas. Nem heróis. Sem fantasia, somos medíocres.
De carne e osso, previsíveis e mortais.
No entanto, tem gente que condena a fantasia.
Prefere ver naquela gostosa apenas uma mulher bonita.
Talvez se achem sortudos, pois não terão a decepção que eu tive.
Mas terão perdido um momento belo: a chance de apreciar uma deusa.
Pelo menos enquanto durou.

Luciano Pires é profissional de comunicação, jornalista, escritor,
conferencista e cartunista,
atualmente Diretor de Comunicação Corporativa da Dana. Visite o site
www.omeueverest.com

20 de novembro de 2003

"Eu gosto de me ridicularizar, não me levo muito à sério. Eu não usaria aquelas roupas se eu fosse sério. A única coisa que me faz seguir em frente é que eu rio de mim mesmo."
(Freddie Mercury)

Viu? Riam de si mesmos seus idiotas.
You never have a second chance
To leave a first impression.
Chegou o verão
(Luis Fernando Veríssimo)

E com ele também chegam os pedágios, os congestionamentos naestrada, os bichos geográficos no pé e a empregada cobrando hora-extra. Verão também é sinônimo de pouca roupa e muito chifre, pouca cintura e muita gordura, pouco trabalhoe muita micose. Verão é picolé de Ki-suco no palito reciclado, milho cozido na água da torneira, é coco verde aberto pra comer a gosminha branca. Verão é prisão de ventre de uma semana e pé inchado que não entrano tênis. Mas o principal, o ponto alto do verão é... a praia!!
--- Ah, como é bela a praia!
---- Os cachorros fazem cocô e as crianças pegam pra fazer coleção. Os casais jogam frescobol e acertam a bolinha na cabeça das véias. Os jovens de jet ski atropelam os surfistas, que por sua vez, miram a prancha pra abrir a cabeça dos banhistas. O verão é Brasil, é selva, é carnaval, é tribo de índio canibal. Todo mundo nú de pele vermelha. As mulheres de tanga, os homens de calção tão justo que dá até pra ver o veneno da flecha, e todo mundo se comendo cru. O melhor programa pra quem vai à praia é chegar bem cedo, antes do sorveteiro, quando o sol ainda está fraco e as famílias estão chegando. Muito bonito ver aquelas pessoas carregando vinte cadeiras, três geladeiras de isopor, cinco guarda-sóis, raquete, frango, farofa, toalha, bola, balde, chapéu e prancha, acreditando que estão de férias. Em menos de cinqüenta minutos, todos já estão instalados, besuntados e prontos pra enterrar a avó na areia. E as crianças? Ah, que gracinha! Os bebês chorando de desidratação, as crianças pequenas se socando por uma conchinha do mar, os adolescentes ouvindo walkman enquanto dormem. As mulheres também têm muita diversão na praia, como buscar o filho afogado e caminhar vinte quilômetros pra encontrar o outro pé do chinelo. Já os homens ficam com as tarefas mais chatas, como perfurar um poço pra fincar o cabo do guarda-sol. É mais fácil achar petróleo do que conseguir fazer o guarda-sol ficar em pé. Mas tudo isso não conta, diante da alegria, da felicidade, da maravilha que é entrar no mar! Aquela água tão cristalina, que dá pra ver os cardumes de latinha de cerveja no fundo. Aquela sensação de boiar na salmoura como um pepino em conserva. Depois de um belo banho de mar, com o rego cheio de sal e a periquita cheia de areia, vem aquela vontade de fritar na chapa. A gente abre esteira velha, com cheiro de velório de bode, bota o chapéu, os óculos escuros puxa um ronco bacaninha. Isso é paz, isso é amor, isso é o absurdo do calor. Mas, claro,tudo tem seu lado bom. E à noite o sol vai embora. Todo mundo volta pra casa tostado e vermelho como mortadela, toma banho e deixa o sabonete cheio de areia pro próximo. O Shampoo acaba e a gente acaba lavando a cabeça com qualquer coisa, desde o creme de barbear até desinfetante de privada. As toalhas, com aquele cheirinho de mofo que só a casa de praia oferece. Aí, uma bela macarronada pra entupir o bucho e uma dormidinha na rede pra adquirir um bom torcicolo e ralar as costas queimadas. O dia termina com uma boa rodada de tranca e uma briga em família. Todo mundo vai dormir bêbado e emburrado, babando na fronha e torcendo, pra que na manhã seguinte, faça aquele sol e todo mundo possa se encontrar no mesmo inferno tropical... Qualquer semelhança com a vida real, é uma mera coincidência..

19 de novembro de 2003

hoje cheguei em casa cansada (o calor me mata), tomei um banho quase frio, aqueles em que a gente fica um pouco arrepiado, mas não chega a estar com frio. as pontas de meus seios ficaram duras, acho isso tão engraçado.
deitei ainda meio molhada. acendi um baseado (tinha levado uma meia hora fechando ele, sempre me atrapalho). fumei lendo um livro que se chamava A mulher que eles chamavam fatal*. algumas gotas do meu corpo ainda umedeceram as páginas.
o livro falava de mulheres, todas elas. me sentia cada vez mais leve. "a curva da arte [..] se confundia com a curva dos quadris, sem que saibamos qual foi o primeiro elemento: a voluta teria sido desenhada imitando o traseiro, ou a mulher teria tentado copiar a curva". The End tocava na vitrola.
nesse instante senti todos os pêlos de meu corpo arrepiados. era uma sensação gostosa. pudia sentir sua mão escorregando. leve..



*A Mulher que eles chamavam fatal - Mireille Dottin - Orsini
MEU SONHO DE TERÇA-FEIRA À NOITE
Acordei com o braço dolorido, acho que deu um mau-jeito.
Me virei pro outro lado e me lembrei que não estava sozinho,
O corpo dela jazia ali do meu lado, seminu, apenas respirando
Com uma calma angelical que não dava vontade de fazê-la acordar

Eram seis da manhã de domingo, pensei em dormir mais um pouco
Cocei as nadegas e me virei para o lado. Vou deixar ela dormir mais.
Sem querer encostei no seu braço e ela acordou atordoada
Abriu os olhos e não mexeu nem um dedo, apenas observava.

Pensou que eu estivesse dormindo e jogou o braço por cima da
Minha barriga e levou a mão até o peito.
Suspirou e chegou mais perto. Eu fingia dormir.
Estava curioso e gostando daquele carinho.

Depois de algum tempo, vi que ela não queria mais dormir.
Peguei na mão e segurei por algum tempo inerte.
Me virei pro outro lado e vi seus olhos me fitando,
Pareciam brilhar, dava pra ver que era paixão, mas não amor.
Mesmo assim não me importo, prefero ficar com esse momento
E guardar pra mim a simplicidade e sinceridade deste olhar
Quando ela menos esperar, talvez o amor apareça.
ELLI IOANNOUTwo of a kind

Open your eyes and don't be blind
G# F# G#
Can't you see we're two of a kind?
F# C#
I've got to say this, i hope you don't mind
G# C# G#7
I love you, we're two of a kind

Just ask yourself and you will find
We go together, we're two of a kind
No use protesting, be resigned
Baby you know, we're two of a kind

Bridge:

B C#
I knew it when i saw you
B C#
I felt it a little more when
B C#
I talked with you at first
B C#
All my blues dispersed
B C#
I couldn't disguise
B C#
My complete surprise
B C#
When you were feeling it too
A# D#
I'm in love with you,
A# D# G#7
I'm in love with you...

repeat first verse
"Como levar a verdade a um povo
em que a cosciência dorme em sono profundo
e ele não quer aceitá-la nem como um sonho"

(Eucajos - um poeta legal)
Pankada Racional
TÁ AÍ UM FILME, UMA NEGRA E UMA CRIANÇA NOS BRAÇOS
SOLITÁRIA NA FLORESTA DE CONCRETO E AÇO
VEJA, OLHE OUTRA VEZ O ROSTO NA MULTIDÃO
A MULTIDÃO É UM MOSTRO SEM ROSTO E CORAÇÃO
HEI SÃO PAULO TERRA DE ARRANHA CÉU
A GAROA RASGA A CARNE É A TORRE DE BABEL
FAMÍLIA BRASILEIRA, DOIS CONTRA O MUNDO
MÃE SOLTEIRA DE UM PROMISSOR VAGABUNDO
LUZ CÂMERA E AÇÃO, GRAVANDO A CENA VAI
O BASTARDO, MAIS UM FILHO PARDO SEM PAI
HEI, SEM DE ONDE VEM EU SEI BEM QUEM VOCÊ É
SOZINHO CÊ NÃO GUENTA, SOZINHO CÊ NUM GUENTA
CÊ DISSE QUE ERA BOM E AS FAVELA OUVIU
LÁ TAMBÉM TEM WISK RED BULL TÊNIS NIKE FUZIL
ADMITO, SEUS CARRO É BONITO, HÉ, E EU NÃO SEI FAZER
INTERNET, VÍDEO CASSETE, OS CARRO LOCO
ATRASO EU TO UM POUCO, SIM TÔ, EU ACHO
SÓ QUE TEM QUE...
SEU JOGO É SUJO E EU NÃO ME ENCAIXO
EU SOU PROBLEMA DE MONTÃO DE CARNAVAL A CARNAVAL
EU VIM DA SELVA SOU LEÃO, SOU DE MAIS PRO SEU QUINTAL
PROBLEMA COM ESCOLA EU TENHO MIL, MIL FITA
INACREDITÁVEL MAS SEU FILHO ME IMITA
NO MEIO DE VOCÊS ELE É O MAIS ESPERTO
XINGA E FALA GÍRIA, GÍRIA NÃO DIALETO
ESSE NÃO É MAIS SEU, Ó [ASSOBIO] SUBIU
ENTREI PELO SEU RÁDIO, TOMEI, CÊ NEM VIU
Sabe essas noites
Que você sai caminhando sozinho
De madrugada, com a mão no bolso na rua
E você fica pensando naquela menina
Você fica torcendo e querendo
Que ela estivesse na sua?

Aí finalmente você encontra o broto
Que felicidade, que felicidade,
Que felicidade, que felicidade,
Você convida ela pra sentar
-Muito obrigada!
-Garçom, uma cerveja?
-Só tem chope.
-Desce dois, desce mais.
-Amor, pede uma porção de batata-frita?
-Ok, você venceu. Batata-frita.
Aí, blablablá, blablablá, blablablá,
Tititi, tititi, tititi. Você diz pra ela:
-Tá tudo muito bom.
-Bom
-Tá tudo muito bem.
-Bem
-Mas realmente, mas realmente, eu preferia que você estivesse nua.

Muito bom, muito bom

18 de novembro de 2003

Não sou grande fã de Legião Urbana, mas esta letra reflete alguns pontos do meu dia-a-dia. Como não estou com tempo pra escrever uma coisa própria deixo aqui a letra da música.


"Índios"
(Renato Russo)

Quem me dera, ao menos uma vez
Ter de volta todo o ouro que entreguei
A quem conseguiu me convencer
Que era prova de amizade
Se alguém levasse embora até o que eu não tinha.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Esquecer que acreditei que era por brincadeira
Que se cortava sempre um pano-de-chão
De linho nobre e pura seda.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Explicar o que ninguém consegue entender:
Que o que aconteceu ainda está por vir
E o futuro não é mais como era antigamente.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Provar que quem tem mais do que precisa ter
Quase sempre se convence que não tem o bastante
E fala demais, por não ter nada a dizer

Quem me dera, ao menos uma vez,
Que o mais simples fosse visto como o mais importante,
Mas nos deram espelhos
E vimos um mundo doente.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Entender como só Deus ao mesmo tempo é três
E esse mesmo Deus foi morto por vocês
É isso maldade então, deixar um Deus tão triste.

Eu quis o perigo e até sangrei sozinho.
Entenda - assim pude trazer você de volta para mim,
Quando descobri que é sempre só você
Que me entende do início ao fim
E é só você que tem a cura do meu vício
De insistir nessa saudade que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Acreditar por um instante em tudo que existe
E acreditar que o mundo é perfeito
E que todas as pessoas são felizes.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Fazer com que o mundo saiba que seu nome
Esta em tudo e mesmo assim
Ninguém lhe diz ao menos obrigado.

Quem me dera, ao menos uma vez,
Como a mais bela tribo, dos mais belos índios,
Não ser atacado por ser inocente.

Eu quis o perigo e até sangrei sozinho,
Entenda - assim pude trazer você de volta para mim
Quando descobri que é sempre só você
Que me entende do início ao fim
E é só você que tem a cura do meu vício
De insistir nessa saudade que eu sinto
De tudo que eu ainda não vi.

Nos deram espelhos e vimos um mundo doente -
Tentei chorar e não consegui




Deprê?
Sim. Mas quem disse que a vida é bela?


Muito legal este site, design inusitado e um joguinho muito divertido.
Ajude o personagem a completar sua saga e aproveite as ótimas ilustrações.
Vá lá

" É sabido que as mulheres confundem sexo e amor. E isso seria uma falha, se não obrigasse os homens a uma atitude mais sensível e respeitosa com a própria vida. Pena que eles nunca verão as mulheres-anjos que têm ao lado.

Com todo esse amor de mãe, esposa e amiga, elas ainda são mulheres a maior parte do tempo. Mas elas são anjos depois do sexo-amor.

É nessa hora que elas se sentem o próprio amor encarnado e voltam a ser anjos. E levitam. Algumas até voam. Mas os homens não sabem disso. E nem poderiam. Porque são tomados por um encantamento que os faz dormir nessa hora. "


(Trecho de Mulheres - L. F. Veríssimo)

Que bacana essa crônica. Mulheres-anjos, talvez sejamos mesmo, essas coisas todas que sentimos, e que às vezes ninguém compreende...
por mais cética que eu seja, tenho certeza, que há algo de místico e misterioso nas mulheres.. e é nessas horas que eu tenho o maior prazer em ser fêmea, mesmo com depilações, menstruações e tmps.

17 de novembro de 2003



Esses pôsteres são verdadeiras obras de arte. Seu criador Steve Harradine é um artista gráfico da geração com espírito da arte psycodelica dos anos 60, ganhando o elogio do trailblazer Bob Masse e créditos aos posteres compartilhados. Residindo no Reino Unido, os posteres de Harradine são procurados por colecionadores de todo o mundo.

15 de novembro de 2003

Tomando um trago e escrevendo. Pena que não tenho uma máquina de escrever, mas isso faz parte de pertencer à geração da tecnologia. Mas o espírito bebum de alguns escritores famosos permanece em mim, mesmo que não tenha um por cento da competência dos mesmos. Não há nada melhor do que curtir o efeito por vezes anestésico de uma bela dose de vodka misturada com uma coca-cola e a maneira suave como desce pela sua garganta, o efeito hipnótico e alucinante do álcool em seu cérebro. Uma vez fiquei bêbado de licor e ouvi Velvet Underground. Foi uma excelente e inesquecível viagem de cinco minutos. E eu pude desfruta-la da melhor forma possível, deitado em minha cama, assistindo as lâmpadas girarem num jogo de luz fantástico. È realmente algo fabuloso a forma como o cérebro rodopia, porém mais fabulosa ainda é a forma essa sensação harmoniza-se perfeitamente com os acordes de uma Fender tocada pelo Lou Reed.
Como é triste saber que durante uma belíssima e agradável noite de sábado, você ficará confinado com suas frustrações e anseios dentro de seu quarto, se deixando levar pelo álcool e pelas palavras, digitadas de forma apressada e insegura, revelando um pedaço de sua alma que parte com o infinito enquanto milhares de pessoas anseiam pelas festas e divertimentos dignos de uma noite de final de semana.
Se me fosse permitido ou se meus pais estivessem viajando e a casa estivesse livre, acenderia um cigarro. Sei que dentro de alguns minutos me dirigirei ao hall do edifício em que moro e darei uma bela tragada em um maldito Marlboro Light. Finalmente saciado, subirei, deitarei em minha cama em posição fetal e lamentarei por não ter tido todas mulheres que desejei ou pelo simples fato de que não consigo me divertir num maldito final de semana. E gargalhadas ecoarão ao fundo, comemorando minha tragédia particular típica de um universitário inseguro, sem perspectivas de futuro e sem um pingo de auto-piedade.